oalmirante @ 12:17

Qui, 28/04/11

Ermesinde, 28 de Abril de 2011

 

O desemprego jovem cada vez atinge proporções mais preocupantes, mas é necessário a classe política verificar as suas causas e não fechar os olhos aquilo que é da sua área de competências. Não adianta insistir mais no factor educação, porque isso todos sabem que em comparação com o resto da Europa é má, conquanto tenhamos que admitir que desde o 25 de Abril melhoramos significativamente as condições de ensino.

O problema mais uma vez tem origem na falta de crescimento económico e das progressivas medidas contra a estabilidade no emprego. Um jovem naturalmente salta de emprego em emprego, como em qualquer outro país, mas em situação de dificuldade é inadmissível que as empresas dispensem trabalhadores, para outra “fornada” entrar, mesmo quando isso não representa nenhuma redução de custos. Os contratos de trabalho apenas asseguram uma das partes, já nem mesmo temporários alguns são, e isso no momento actual não pode transmitir grande segurança ao trabalhador, principalmente quando se encontra numa situação mais delicada da sua vida profissional.

Por isso, falar em mais Estado Social no Portugal de hoje é não conhecer as condições de trabalho de muitos trabalhadores. Combater a flexibilização laboral é puro eleitoralismo. O que é preciso é uma economia a crescer e com medidas que tragam confiança aos trabalhadores e ajudem as empresas a dar a formação profissional que o Estado já não sabe dar.



Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
29
30


Espiões
Radar
 
Vídeos

"We shall go on to the end, we shall fight in France, we shall fight on the seas and oceans, we shall fight with growing confidence and growing strength in the air, we shall defend our Island, whatever the cost may be, we shall fight on the beaches, we shall fight on the landing grounds, we shall fight in the fields and in the streets, we shall fight in the hills; we shall never surrender (...)"

blogs SAPO