oalmirante @ 01:44

Qua, 20/07/11

Porto, 20 de Julho de 2011

 

Se algo de interessante e diferente tiveram estas primárias do Partido Socialista foi a proposta de Francisco Assis de ter primárias abertas a todos os cidadãos. Uma proposta ousada e que tem vindo a ganhar força também nos enredos partidários do PSD. Mas que não passa de patetices de esquerda vanguardista ou direita populista, e que nutre o mais profundo desrespeito por aquele que é o maior direito de um militante, enquanto parte essencial e indivisível que é no seu Partido.

Assim, durante estas últimas semanas, Francisco Assis e outros subscritores desta medida, justificam-na enquanto uma aproximação dos partidos políticos à sociedade, ou seja, os cidadãos podem simplesmente escolher, dentro do partido que lhes apetecer, aquele que consideram como melhor candidato a Primeiro-Ministro.

Mas então para que serve ser militante de um partido?

Tenho para mim que se esta medida não é de conteúdo vago, vanguardista e populista, então é a aceitação de que os militantes sãos os “boys” dos partidos políticos ou que estes se ilibam de responsabilidades para se aproximarem dos cidadãos, e vice-versa. Embora o nível de romantismo destas medidas seja sempre elevado, espelha um velho fantasma de Rousseua.

Pessoalmente via com melhores a instituição de um Conselho Consultivo que dependesse o menos possível dos militantes e das respectivas Comissão Política ou Secretariado Nacional. Mas parece que isso não é suficientemente apelativo para a opinião pública. Sinceramente esta gente não percebe nada disto.



Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
16

17
18
19
22
23

24
25
27
29
30

31


Espiões
Radar
 
Vídeos

"We shall go on to the end, we shall fight in France, we shall fight on the seas and oceans, we shall fight with growing confidence and growing strength in the air, we shall defend our Island, whatever the cost may be, we shall fight on the beaches, we shall fight on the landing grounds, we shall fight in the fields and in the streets, we shall fight in the hills; we shall never surrender (...)"

blogs SAPO